Como ativar sua mente para gerar ideias que podem ser empreendedoras

Se você trabalha em alguma área ligada à criação, com certeza já ouviu falar em brainstorming, a tal “tempestade de ideias”.

Se não conhece, saiba que mesmo não sendo da área de criação, essa técnica pode te ajudar muito a pensar em um negócio. Não queremos que você fique na chuva ou na ventania, mas queremos que esse “alvoroço” de um temporal aconteça aí na sua mente! E existem hábitos que você pode alimentar para ajudar essa chuva de ideias a acontecer com mais facilidade. Quer ver?

1 – Não fique esperando a ideia perfeita

A gente tem mania de se policiar demais na hora de criar algo, né? Pensa numa coisa, não acha tão bom, descarta. Pensa em outra, não curte novamente, joga fora de novo. E, às vezes, achamos a ideia tão boba que ignoramos antes mesmo de pensar em como executar. E assim seguimos esse looping eterno, esperando que uma ideia incrível apareça uma hora. Para! Esse processo pode te desgastar e ainda não surtir efeito nenhum. O que fazer então? Não crie filtros demais: considere TODAS as ideias, até as mais viajadas. Elas podem fazer sentido se forem amadurecidas.

2 – Seja um curioso observador

Alimente a sua capacidade de observar o ambiente e as pessoas. Tenha um olhar analítico para as situações do cotidiano. De repente, um problema que seu colega sempre enfrenta na hora de fazer alguma tarefa pode se transformar um produto altamente comercializável criado por você para solucionar essa dificuldade. Comece a perceber as necessidades do dia a dia e encará-las como portas para o empreendedorismo.

3 – Aproveite sua rede de contatos para compartilhar e testar ideias

Não fique guardando suas ideias para você. Adote como estratégia aquilo que os comediantes fazem para testar as piadas: conte para quem confia e veja a reação das pessoas. Dependendo de como reagirem, você executa ou aperfeiçoa aquilo que pensou. Essa é uma boa forma de “medir a febre” do que está criando. Ah, e seja bem eclético na escolha das pessoas: profissionais de áreas diversas podem ter visões diferentes sobre o que você está criando e isso pode enriquecer sua criação.

4 – Pense anos e anos à frente

Imagine o mundo em 2030. Como você se enxerga? Como acredita que vão estar os produtos e serviços que consome hoje? Quais problemas devem surgir com o avanço de algumas áreas? Esse exercício te ajuda a ter ideias mais visionárias, te projeta para o futuro e te auxilia a pensar nas necessidades que as pessoas vão ter daqui há alguns anos. Mas não fique só nessa “projeção mental”. Pesquise tendências dessas áreas que surgiram na sua mente, aprofunde-se sobre o que especialistas também estão projetando e veja o que já existe no mercado.

5 – Não tenha medo de se basear em algo que já foi criado

 

Não estamos falando de plágio, de cópia escancarada. Estamos falando de inspiração! Muitas vezes, você tem uma ideia muito melhor para aquela demanda do que o atual produto que existe no mercado teve. Se tiver condições de aperfeiçoar o que já está aí: check! Por exemplo, quando o aplicativo Uber surgiu, a gente achou que as possibilidades de aplicativos para transporte estavam esgotadas, né? Mas, na verdade, o Uber abriu a mente de muitos empreendedores que criaram aplicativos semelhantes para outras finalidades. Comece a pensar assim: como posso melhorar tal serviço? Em que outra área a essência desse produto já existente pode se enquadrar?

E aí, curtiu? Já aplica algo disso no seu dia a dia? Aplique e nos conte quais resultados teve. Bom trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!